Água do Céu

Papel A3 vegetal

stylos colorés

Água do Céu, obra realizada com Stylos colorés sobre papel vegetal A3, traz questões ligadas à verticalidade. A mancha representando elemento líquido que aparece do lado direito gera indagações infinitas. Pode ser uma ameaça de catástrofe ou uma bênção. E por que não uma pessoa com essas ambiguidades à flor da pele? Mais importante daquilo que ela pode ser enquanto figura é o que representa simbolicamente e como pode ser interpretada. O diálogo entre o azul e o verde aponta para uma integração entre os elementos da natureza, como um alerta das possibilidades de cada obra artística de reconectar criador e observador com o mundo. Nesse aspecto, todo ato visual é religioso, não no sentido místico, mas no de propiciar religações das pessoas com o universo. Trata-se de uma dinâmica que existe desde as cavernas pré-históricas até hoje cada vez que uma imagem é avistada enquanto objeto de reflexão.

Oscar D’Ambrosio

Clã Respiro

Papel A3

Stylos colorés

“Clã Respiro”, realizada com Stylos colorés sobre papel A3, exemplifica como a arte pode criar universos paralelos com regras próprias. Aquilo que se chama realidade pode ser ponto de partida sobre o qual a criação visual gera as mais diversas alterações. A arte, nesse aspecto, é libertadora. O céu laranja, as árvores e áreas verdes e azuis, que, respectivamente, podem ser consideradas como vegetação e água, se relacionam para estabelecer as suas próprias relações internas. O essencial é que conversam entre si de modo a nos levar para uma dimensão em que tudo se tona possível. Não há limites, barreiras ou imposições. O fazer se assenhora do espaço com liberdade plena e expressiva. A respiração se torna mais intensa quando o criar arte e o viver são associados. Ao caminharem juntas, as manifestações plásticas ganham vigor e derrubam fronteiras e conceitos preestabelecidos.

Oscar D’Ambrosio

Arco-Íris líquido

Papel A3

giz pastel oleoso

“Arco-íris líquido”, obra realizada com giz pastel oleoso sobre papel A3, representa uma paisagem em que existe um deslocamento espacial. O arco-íris, cujas tonalidades são encontradas no céu, surge na cascata. O que poderia ser apenas um detalhe se torna o foco principal do quadro, que é colocado na região central. A composição valoriza as cores de modo a estabelecer um universo em que é evidenciada a intencionalidade da artista de não trazer aos olhos uma imagem realista, mas uma composição caracterizada pelos diálogos entre as cores. Elas instauram uma realidade imaginária e misteriosa que chama a atenção dos nossos olhos e os fascina. A arte se dá nessa dimensão da beleza que se manifesta naquilo que já se viu, se imagina ou se gostaria de encontrar. O arco-íris, ao estar fora do céu, na água, aumenta a própria magia e encantamento.

Oscar D’Ambrosio

Onda

Papel A3

Aquarela

“Onda”, obra realizada com aquarela sobre papel A3, se fundamenta na estética do movimento. Isso significa que o conjunto, embora estático, traz uma percepção de que está a fluir pelo tempo e pelo espaço. A questão é essencial nas artes visuais, pois a bidimensionalidade de uma aquarela, assim como o fato de ela ser um instante daquilo que entendemos como realidade, dá à obra uma estaticidade. A imagem é um fragmento, um momento, sem passado e futuro visíveis. A onda, pelo uso da mancha sobre o fundo preto, pela diluição das cores e pelo gesto, nos alerta que tudo está a se transformar, tanto na vida como na arte. Além disso, cada criador visual tem a própria capacidade de estabelecer o seu universo pelas escolhas que faz, tornando, cada trabalho, uma declaração de fé em si mesmo e nas suas potencialidades de interpretar o mundo.

Oscar D’Ambrosio

Coloré / Explosivamente Vivo

Papel A3

crayons coloré

Diane Dumas (@dianedumas11)
Coloré
Crayons colorés e stylo noir sobre papel A3

Pode-se entender a cor como uma percepção visual provocada pela ação de um feixe de fótons sobre células especializadas da retina. É um caminho. No entanto, existem outros, como o que Diane Dumas mostra neste trabalho, em que as cores são colocadas sobre o suporte de modo a gerar diversos impactos visuais. Elas ganham valores diferentes pela maneira como se associam umas com as outras e pelas formas pelas quais são apresentadas. Existe toda uma mecânica científica e simbólica no lidar com elas; e a arte se vale desse conhecimento para obter numerosos efeitos, como ensina o célebre Círculo Cromático, composto por 12 cores (as três primárias, as três secundárias e as seis terciárias). Todo esse universo traz, para quem cria e para quem observa, múltiplos e infinitos diálogos, dos quais todos saem renovados.

Oscar D’Ambrosio

“AI” (Harmonia)

Papel tela A3

Pastel oleoso

“AI” (“Harmonia”, em japonês), obra realizada por Diane Dumas (@dianedumas11) com giz pastel oleoso sobre papel tela A3, faz refletir sobre o conceito que está em seu título. Afinal, quando se pensa na palavra escolhida pela artista para identificar o trabalho, surgem conceitos relacionados a uma combinação de elementos interligados que geram uma sensação agradável e de prazer, identificada pela ausência de conflitos, paz e concórdia. Em termos visuais, existe uma relação entre as cores e uma dinâmica interna que propicia a percepção de que as forças da natureza, masculinas e femininas, entre outras polaridades, se conectam de modo a transmitir ao observador a sensação de equilíbrio, tão essencial para a saúde física e mental humanas.

Oscar D’Ambrosio

H.O.P.E.

(Esperança)

Papel tela A3

Giz pastel oleoso

H.O.P.E. (esperança), obra de Diane Dumas (@dianedumas11) realizada com giz pastel oleoso sobre papel tela A3, lida, na sua construção visual, com elementos muito orgânicos. Isso significa que, de certa forma, pelos seus aspectos formais, existe, no trabalho visual, um diálogo direto com a natureza. Essa é uma das leituras possíveis, ainda mais quando a imagem é apresentada com um título que remete a uma ideia de olhar para o futuro, guardando a possibilidade de que posa ser construído, pela humanidade, um amanhã melhor do que o presente e vinculado a posturas existenciais que se comprometam com o respeito e cuidado ao meio ambiente.

Oscar D’Ambrosio