TATOO: LA PEAU SANS PASSEPORT (tatuagem: a pele sem passaporte)

1 TELA: 70 x 150 (2017)

O quadro é representado por um fundo mesclado de três cores (amarelo, preto e branco) que simbolizam uma utopia da pele. Retrata unanimidade e caos simultaneamente.

São as cores de três raças misturadas por completo porém mantendo sua cor íntegra separada que se transformam em manchas camufladas de uma nova pele para todos os indivíduos. Todos sem exceção teriam as três cores na pele, tendo no seu passaporte a cor tricolor como uma nova raça futurística.

Pessoas costuradas dentro dessa nova nativa graciosa e cromatizada pele…como se transformado em tatuagens vivas que se camufla e baila com as raças num zigue-zague de quebra cabeças em excelência.

A conquista de uma nova concepção, uma nova tatuagem da raça humana, a pele ideal.

Apesar de termos a mesma pele  (NEUTRALIDADE) (só uma raça humana) com a mesma igualdade, sem julgamentos (SIMPLICIDADE),  mesmo assim continuamos a sermos diferentes, em detalhes nas manchas, cada uma com sua peculiaridade (DIVERSIDADE).

Embutidos na camuflagem da pele mundial sem passaporte, pode-se notar 3 crianças de um lado e 3 adultos do outro, uma de cada raça, que se unificaram na mesma pele universal. Um efeito de colagem e de dobra. Um espelho entre a infância e a fase adulta construídos sobre uma mesma base.

É como se o quadro tivesse sido dobrado no meio e as crianças se transformassem em adultos e os adultos em crianças, isso inúmeras e infinitas vezes, sempre de acordo com a situação da vida necessária. Como as imagens que nascem quando cores são misturadas dobrando o papel e criando novas vidas. A junção e a separação de cada ser.

A obra também lembra a uma impressão de um teste Rorschach com várias interpretações possíveis e imaginárias.

Imagine se o quadro fosse um livro. A forma de abrí-lo e fechá-lo daria vida a um conto de estórias, cada uma com um final diferente, uma vez na visão de crianças, outras de adultos e outra vez de ambos.

Valor sugerido: 7 Mil.